Category Archives: escrita

Nova aventura

Os Magníficos partiram para novas aventuras…

Os 4ºano terminaram o seu percurso, no 1º ciclo com excelentes resultados, desejo-lhes felicidades na sua nova caminhada.

Os alunos que ficaram no 1º ciclo, porém transitaram para outras turmas, desejo-vos um bom ano.

O blogue Magnificos termina a sua caminhada. Contudo um outro surgirá com as “Carochinhas de Alvelos”.

Um bom ano para todos os internautas que nos visitam.

 

Helena Vilas Boas

“Laboratórios Ciência e Tecnologia”

No dia 20 de Maio, no período da tarde, fomos à Escola Secundária de Barcelos, onde visitámos os Laboratórios de Ciência e Tecnologia.

Por volta das 13h30, a nossa turma e a turma da Professora Carmélia dirigiu-se para o autocarro e seguimos para Barcelos. Quando lá chegamos, fomos recebidos por uma aluna que foi a nossa guia durante toda a visita.

O primeiro laboratório que visitámos foi o de Biologia que estava espectacular e muito bem organizado. No laboratório assistimos a várias experiências:  partes do corpo de animais – olhos; orelhas; rins; corações; pulmões; fígado e qual a função de cada um; a constituição do corpo humano (órgãos) em resina; descobrimos os sabores (ácido, doce a amargo); um cartaz com uma planta e que demonstrava o processo da fotossíntese; ADN da banana; a gordura do leite; como fazer manteiga; o ambiente dos caracóis; a constituição do corpo de uma cavala; experiência com uma gasosa e mentos e cromatografia.

Os Magníficos gostaram de experimentar a manteiga, deliciosa, feita com natas e batida numa garrafa de água com um berlinde; experimentar os sabores e ver como eram os órgãos de alguns seres vivos.

No laboratório de Mate-Magia participámos em jogos de magia: o jogo do fio de lã, com uma argola e que tínhamos de retirar sem mudar os dedos; uma folha A4, onde passaram 4 alunos sem rasgar a folha; uma argola feita em cartolina que depois de recortada ficava maior.

A peça de teatro que assistimos foi: “A bela adormecida”, apresentada por alunos da escola.

De seguida, fomos à Biblioteca identificar diversos produtos e objectos dos Continentes (chá, cana de açúcar, noz moscada, piripiri, café, manga, máscaras, tucano em madeira, bijutaria dos diferentes continentes).

Nos laboratórios de Matema-games e Experiências de Mate jogámos diferentes jogos: semáforos, capturas, amazonas, hex, ouri e pontos e quadrados… foi divertido.

A seguir percorremos o laboratório de Geologia, nas mesas havia diferentes tipos de rochas, vulcões, fósseis, marés representadas num “aquário” estratos da constituição da Terra, dunas e equipamento mineiro.

Na área descoberta estavam os ateliês de pintura de rosto e a técnica de construção de objectos com balões. Alguns meninos pintaram a face com desenhos de tigres e gatos, as meninas de borboletas e flores.

Terminamos no laboratório de Física a realizar ou ver diferentes experiências: um ovo cozido que entrou num tubo de ensaio, onde antes se tinha inserido algodão embebido em álcool o qual se incendiou, para aquecer o ovo e entrar no tubo; um quadro de electricidade, onde tínhamos que passar um arco de arame, por um fio de arame, se tocássemos acendia uma lâmpada e tocava a campainha; várias imagens que sugeriam outras – ilusão óptica (rainha, as aspirais, os rostos de velhos numa árvore, linhas e pontos, cristo), vimos vários caleidoscópios, os telefones de iogurte; os noivos e o pássaro na gaiola em papel que rodávamos; a bola de pingue-pongue; a lata aquecida e arrefecida…

Foi uma visita espectacular, fomos pequenos cientistas por uma tarde.

Obrigada a todos os Professores e alunos da Escola Secundária de Barcelos.

Livro

O livro é especial

É fenomenal

Tem tantas coisas escritas

onde podemos aprender

 

O livro é uma

Escola onde se lê,

Ri-se, diverte-se e

Brinca-se

 

O livro tem tudo,

Mas só se lê

Um livro

Quando temos vontade e prazer

 

O livro dá

 luz ao

Conhecimento.

Pedro

                                                       

                                           

É bom ler

É bom ter livros

Ao ler estamos a conhecer

Os livros são boas companhias

Alguns livros

Dão-nos conhecimento e inteligência

 

Os livros são sábios

Faz bem a toda a gente

Às crianças para aprender

Mil formas diferentes de contar.

 

Os livros são

Maravilhosos

Para aprender

Coisas esplendorosas.

Ana

 

Os livros são fantásticos,

Tem os sonhos das pessoas que os escrevem,

A sua imaginação e criatividade.

 

Todas as pessoas deviam ler,

Porque há sempre uma história que gostara mais,

Pode ser de romance, terror, comédia, acção…

 

São importantes, porque sem eles não sabíamos ler,

Nem escrever as palavras sem erros.

 

Ler não faz mal a ninguém,

Porque se lermos jornais

Vem notícias importantes.

 

Começa-se a ler uma história interessante,

Nunca mais se consegue parar

Só quando acabar.

 

É divertido ler coisas que gostamos?

Acho que sim, e tu?

Helena

 

Um livro é mágico

Ensina mais de 100 pessoas.

É um sonho infantil

Muito divertido.

 

A professora lê o livro

Os alunos escrevem.

O menino feliz

para a escola vem

 

Um livro é um sonho

Bem infantil.

Na biblioteca o ponho.

O livro é bem gentil.

Célia   

 

 

 

Palestra

 

Hoje, dia 7 de Março de 2008, o ilustrador Gémeo Luís e o escritor Eugénio Roda vieram à nossa escola fazer uma palestra, na cantina. Como chegaram cedo, vieram à nossa sala ver os nossos trabalhos e conversar um pouquinho. Somos uns sortudos! Quando se estavam a apresentar, trocavam de lugar e brincavam para nós descobrirmos quem era quem?

O Eugénio Roda leu-nos a história do Ssschlep, no seu livro a história estava ao contrário e mudava de óculos consoante as cores do livro ou o que queria ler. Por vezes interrompia a história e nós continuávamos.

No fim de contar a história, nós tínhamos umas perguntas para fazer. As perguntas eram sobre o seu trabalho e sobre a vida deles. Por exemplo: 1- Como escolheram os pseudónimos? 2- Gostaram de viver em Macau? 3-Nas histórias brincam com as palavras, porquê?, entre outras.

O Gémeo Luís e o Eugénio Roda respondiam ambos às perguntas e tornou-se um pouquinho longo.

Na 1ª pergunta o Gémeo Luís respondeu que o pseudónimo dele foi fácil, porque tinha um irmão gémeo e desde pequeno lhe chamavam assim. Emílio Remelhe tinha várias versões para o seu, era Eugénio de ingénuo e Roda porque tinha muitas ideias na cabeça e elas rodavam. O Luís Mendonça brincou e disse que era Eu (Emílio) e génio de ser um genial, especial. Perguntamos se gostaram de viver em Macau ambos disseram que sim que foi uma experiencia nova. Que foram fazer parte de uma nova escola que abriu em Macau. Sobre brincar com as palavras, dizem que são jogos onde se aprende novos significados. Eles respondiam de uma maneira diferente, que nos levava a pensar o que queriam dizer.

Durante a entrevista disseram para fazermos duas experiências: uma era ter sempre um dicionário ao nosso lado e descobrir novas palavras, outra era desligar a televisão, olharmos para ela e inventar histórias.

O Emílio Remelhe  contou-nos que andou a estudar com a nossa professora e que um dia apanhou com a régua, porque se distraiu. Ele era bom aluno, mas apanhou na mesma. 

Quando terminou a palestra vieram para a nossa sala dar autógrafos, aos meninos/as que compraram livros.

O autógrafo do Gémeo Luís é uma ilustração e escreve a dedicatória ao contrário. Uma forma muito original e que nós gostamos muito.

Contaram-nos que gostavam muito de viajar, porque aprendiam muito. O melhor prémio que receberam foi estar connosco, sentir que gostávamos das suas histórias e que gostávamos de ler.

 

“Aprendi com a história do Ssschlep, de certeza, vou comer a sopa toda.” Pedro

 

“Gostei da palestra porque gosto de ler, escrever e ilustrar.” Tânia 

 

“Eu gostei do autógrafo que o Gémeo Luís me deu.” Diana

 

Palestra II

Os nossos convidados, terminada a palestra e os autógrafos, seguiram para o Jardim de Infância de Rio Santa Eulália, como podem ver em: http://janelajardim.ning.com/.
Podem também conhecer os trabalhos dos nosso ilustres convidados em: http://www.gemeoluis.com/editora/ie/main.html.

img01.jpg

Museu de Olaria

Nós, os Magníficos no dia 27/02/08 fomos ver uma exposição ao museu de Olaria de Barcelos.

A exposição era sobre: Louceiros de Santa Comba (Foz Côa).

A guia explicou-nos o que vimos: fotografias antigas e peças em barro.

Nas fotografias observamos: um menino em cima de um burro que carregava dois cântaros de cada lado; uma mina de barro; o forno onde coziam barro; a roda do louceiro; a feira; uma velhinha a usar um alguidar.

As peças de barro que estavam nas vitrinas e no chão eram: talhas; cântaros, panelas, pratos, assadeiras, bilhas, chocolateira, barris, potes e pucarinhos.

Antigamente, os Louceiros trabalhavam o barro com as mãos e os pés, para o amassar.

Os Louceiros construíam as peças em barro na roda de madeira, a seguir colocavam as peças num forno (parecia uma gruta), na entrada colocam lenha a arder para cozer o barro. Actualmente coze me fornos que podem atingir 1000 graus centigrados.

Quando as peças estavam prontas as mulheres ou as filhas iam para as feiras vendê-las.

As talhas grandes eram usadas para guardar a água, as pequenas para colocar azeitonas, azeite ou salgar carne.

Terminamos de ver a exposição e fomos para a sala de trabalho. A Dra. Ana entregou-nos um papel com enigmas. Os enigmas eram sobre a exposição, nós tínhamos que descobrir a solução, desenhar e construir em barro. As peças foram muito diferentes, havia: saladeira, pote, cântaro, caneca, bilha, tacho, travessa, prato e vaso.

Adoramos a exposição, mas gostávamos de ver a exposição de Rosa Ramalho.

Uma aventura…Resgate da bebé tigre

Era uma vez uma menina (Joana) e um menino (João), eram irmãos, viviam na selva.
Eles estavam a jogar à bola, quando encontraram uma bebé tigre. Ela estava perdida…
Deram-lhe o nome de Kyara.
Passaram 2 dias, a Kyara estava muito triste, e a Joana e o João pensaram procurar os pais dela para a devolver.
Até chegar ao vale dos tigres tinham de passar por montes, rios e por um vulcão.
Passar os montes foi fácil, escalar não era difícil! Mas para eles passarem o rio…tiveram de fazer uma jangada de madeira. Demoraram um dia e meio. Conseguiram passar o rio. Chegaram ao vulcão que tinha muitos buracos com lavas incandescentes, não podiam saltar por cima. O João lembrou-se de construir u m balão que subisse nos céus e pudessem passar.
A Joana ajudou-o a procurar folhas das árvores, restos de panos que havia, de um avião que tinha caído. Ufa! Foi difícil construir o balão.
Quando conseguiram colocaram a Kyara entre os ramos, entrou a Joana e o João empurrou e saltou lá para dentro.
Finalmente conseguiram, mas o calor era tanto que ficaram todos negros do fumo e transpirados!
Quando chegaram ao vale dos tigres tentaram que os tigres os percebessem, com gestos e gritos.
Os tigres aceitaram-nos como amigos e davam cambalhotas de felicidade por terem a Kyara de volta.
Ana Rita